PUBLICIDADE

Torreón

Casa histórica preserva espírito da era de ouro de Torreón

ver comentários
Publicidade
A fachada da Casa Histórica de Arocena foi baseada na arquitetura da região do País Basco, no norte da Espanha
A fachada da Casa Histórica de Arocena foi baseada na arquitetura da região do País Basco, no norte da Espanha
Foto: Museu Aroneca/Divulgação

No início do século 20, a família Arocena era uma das mais prósperas do norte do México. Graças, em parte, a seus membros, Torreón se transformou em um importante polo econômico da região, e um pouco dessa história segue preservada até hoje na casa da família, que se transformou em atração turística e abriu as portas ao público em 2010. Casa Histórica de Arocena
fica ao lado do antigo Cassino da Laguna e hoje é um dos anexos do museu que leva o nome da família.

A arquitetura por si só já é uma obra de arte. Ela imita o estilo das construções do País Basco, região no norte da Espanha de onde a família Arocena emigrou no século 19. Cada quarto conta diferentes histórias da época de ouro do norte do México – entre 1919 e 1936. Ao percorrer os cômodos, o turista vai entender a economia e a política da época por meio da observação da rotina de uma das famílias mais prósperas da região.

A área de exposições ocupa o terceiro andar do Edifício Arocena, erguido em 1920 pela família. Além de apreciar a decoração e os móveis, o visitante se depara com objetos pessoais dos ex-moradores, como cadernos e livros. No Quarto das Senhoras, por exemplo, estão expostos os diários de uma das filhas do dono da casa, com documentos das empresas, como relatórios financeiros, o que indica que os herdeiros colocavam a mão na massa.

Torreón, México: Uma cidade com uma grande variedade gastronômica:

O pátio central era o lugar mais apropriado para reuniões e eventos sociais em geral. Ele promove a circulação de ar e iluminação natural pelos três andares. Assim como a fachada, a decoração da sala de jantar também foi importada da Espanha, mas, em vez de imitar o estilo dos espanhóis, a família optou por trazer móveis, utensílios de cozinha e o faqueiro da casa em San Sebastián. Dá para perceber que algumas das obras de arte não foram incorporadas pelo museu que fica ao lado da casa – móveis como mesa e cadeiras são do início do século 20, conhecido como Renascimento Espanhol. Na sala de jantar também há pinturas e esculturas do final do século 15.

Em áreas mais privadas da casa as obras de arte também estão presentes, não só na forma de pinturas e esculturas. Poltronas no estilo Luís 16 e tapeçaria francesa decoram o Grande Salão; móveis de carvalho esculpidos em estilo neoclássico espanhol embelezam o Quarto dos Senhores; e um sofá feito em seda rosa e capitonê é o destaque do Gabinete.

Fonte: PrimaPagina
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade