PUBLICIDADE

Cidade do México

Técnica agrícola dos astecas sobrevive na Cidade do México

ver comentários
Publicidade
Embarcações típicas da região, trajineras navegam pelos canais de Xochimilco, onde técnica agrícola asteca ainda é usada
Embarcações típicas da região, trajineras navegam pelos canais de Xochimilco, onde técnica agrícola asteca ainda é usada
Foto: Shutterstock

Localizada na zona sul da Cidade do México, a região de Xochimilco preserva uma técnica agrícola do tempo dos astecas: o cultivo de produtos em jardins flutuantes, chamados chinampas. Isso é possível pois a área, formada por um conjunto de canais e ilhas remanescentes do antigo lago Xochimilco, é uma das poucas da metrópole que conservam parte da rede de lagos que existia antes da construção da cidade atual, erguida sobre a antiga capital asteca.


Nesses jardins flutuantes são plantados vários tipos de vegetais, desde culturas de subsistência, como o milho, até variedades mais ornamentais como flores e bonsais. Em 1987, a prática foi incluída na Lista do Patrimônio da Humanidade da Unesco.


Com o tempo, esses jardins flutuantes transformaram o antigo lago Xochimilco em um conjunto de ilhas e canais navegáveis, que dão um aspecto charmoso ao local. Por isso a região é considerada a Veneza mexicana. Turistas e nativos circulam pelas vias aquáticas utilizando barcos chamados trajineras. As embarcações são bem coloridas e contam com grandes mesas e várias cadeiras para que os turistas possam fazer as refeições ali mesmo.


Além de transportar pessoas de uma ilha a outra, as trajineras funcionam como endereço de comércio. Os barcos dos vendedores ficam próximos aos dos visitantes, que podem comprar souvenires, brinquedos e até comida, como o milho cozido e assado na espiga. As negociações são feitas dentro da própria embarcação.


Técnica milenar

O cultivo de vegetais em jardins flutuantes, as chamadas chinampas, é uma técnica milenar, que sobreviveu em Xochimilco. No início, a ideia era ampliar o espaço de plantio e garantir que houvesse comida suficiente para os habitantes. Para isso, os habitantes locais começaram a criar ilhas artificiais para plantar vegetais. O processo de criação das chinampas é complexo. Primeiro, é preciso escolher uma área na parte rasa do lago. Depois, o território é demarcado e a ilha em si é montada como um sanduíche: com uma mistura de lodo do fundo do lago e da vegetação da superfície colocada em cima de uma estrutura de galhos de zimbro. Assim, a ilha fica leve o suficiente para boiar e resistente o bastante para suportar o peso das pessoas que irão circular por lá. O solo fica firme e é capaz de fixar as raízes das plantas.


A estrutura funciona muito bem porque, graças à mistura de terra do fundo do lago e da vegetação que cai na água, o solo é extremamente nutritivo. Além disso, o sistema de irrigação também age sozinho, por meio do contato direto com a água, o que torna o ambiente autossuficiente.


Atualmente há milhares de ilhas distribuídas pela região, e nem todas são usadas para a agricultura. Algumas são aproveitadas para o turismo, outras para moradia e uma delas abriga até um campo de futebol!

Fonte: PrimaPagina
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade