Guia indica 5 roteiros diferentes para conhecer Paris em 4 dias

Cidade é dividida em 5 regiões diferentes para serem percorridas a pé

28 jul 2013
16h25
atualizado às 16h25
  • separator
  • 0
  • comentários

As brasileiras Lina Hauteville e sua filha, Mariana Berutto, lançam a terceira edição do Guia Paris - Cinco Roteiros em Quatro Dias, livro que reúne dicas valiosas e práticas para conhecer cada canto da capital da França. Lina, que vive na "Cidade Luz" há 30 anos, mantém um blog sobre um dos destinos mais visitados do mundo e divide sua experiência com os turistas.

O objetivo da obra é guiar os brasileiros que querem conhecer Paris além da Torre Eiffel e dos cartões-postais tradicionais, e indicar qual as atrações alternativas e apontar o charme e o diferencial de cada bairro. A intenção é proporcionar em poucos dias a chance dos turistas olharem para a cidade com olhos de morador local.

Segundo o livro, para conhecer Paris os pés precisam trabalhar. "Caminhar é a maneira mais prazerosa de conhecer Paris", explicam. Os roteiros são descritos, detalhados e mapeados para serem feitos durante belas caminhadas pelas arborizadas avenidas da cidade e, para distâncias mais longas, pode-se contar com o metrô, que tem 300 estações espalhadas pela cidade.

<p>Livro traz mapas para conhecer Paris caminhando</p>
Livro traz mapas para conhecer Paris caminhando
Foto: Divulgação

E, para quem não gosta muito de andar, elas explicam: "Paris é pequena, tem 105 Km², enquanto Berlim tem 889 Km² e Londres 1.579 Km²". 

Para facilitar, o livro divide a cidade em 5 regiões, já que "cada bairro tem sua própria personalidade". Com mapas bem desenhados, as principais atrações e detalhes menos conhecidos, mas não menos charmosas, das regiões são devidamente sinalizados.

1) Paris do Luxo e da Moda: Champs-Élyssés, Saint-Honoré e Palais Royal
São 6,5 quilômetros de caminhada para ver de mais perto o charme e o luxo das lojas de grife e da Avenue des Champs-Élysées. Estão aí também o Arco do Triunfo, a Place de La Concorde, símbolo da Revolução Francesa, a Opéra Garnier, entre outros pontos turísticos tradicionais. Um olhar mais intimista, aponta cafés onde é possível provar os deliciosos macarons, além de restaurantes de premiados chefs como o L'Atelier, casas especializada em caviar, a Caviar House & Prunier e teatros abertos há séculos. Assim como em toda a cidade, apreciar belos prédios da arquitetura parisiense também faz parte do roteiro.

2) Paris da lendária rive gauche: Saint-Germain
O percurso de 4,6 quilômetros mostrará detalhes do boêmio e cultural bairro que abriga cafés e restaurantes que se tornaram pontos de encontro de intelectuais como Picasso, Hemingway, Fitzgerald, Dalí, entre outros. Com o passar do tempo, o local foi perdendo sua originalidade artística, mas alguns detalhes foram mantidos e, segundo o livro, "ainda é uma das regiões mais bonitas e agradáveis de Paris". Destaque para os maiores símbolos desta atmosfera: Brasserie Lipp e os cafés Flore e Les Deux Magots, onde bolos e tortas "valem a pena" uma parada. É lá também onde está a Chapelle Notre-Dame de la Médaille Miraculeuse e o Museu do Louvre.

3) Paris histórica e descolada: As ilhas e o Marais
São 6 quilômetros para ver as águas do Rio Sena - rio que divide a cidade em duas partes - e suas duas linhas interligadas: a Île de la Cité (residencial e muito turística, onde estão a Catedral de Notre Dame, a igreja Sainte-Chapelle e a Concierge) e a Île de Sant-Louis (região onde não há monumentos históricos, mas que possui um imenso charme nas pequenas ruas e dá ao turista a possibilidade de se misturar aos moradores de Paris). Ao lado destes locais, está o Marais, uma região que se renovou nos anos de 1980 e 1990 e combina história com uma reunião jovem e cosmopolita, tendo hotéis design e antigos bistrôs que servem comidas mais populares. A vida cultural é intensa no bairro, que também abriga as bandeiras coloridas da população gay.

4) Paris dos museus e da Torre Eiffel
Para conhecer a parte mais tradicional e o cartão postal símbolo de Paris é preciso percorrer 3,3 quilômetros. Sofisticação é a palavra-chave desta região que tem por ser o metro quadrado mais caro de Paris. A maioria dos museus está nesta área, como o Musée des Égouts de Paris, Palaos Bourbon e Esplanade des Invalides. O livro descreve cada um deles e indica que é melhor escolher e visitar aqueles que o assunto exposto mais interessar. Os cafés e restaurantes também são atrações e ótimos pontos de parada durante o passeio.

5) Paris boêmia e bucólica: Montmartre e Pigalle
O traçado de 3,3 quilômetros também é suficiente para conhecer o quadrado que une uma região mais calma com uma parte mais charmosa e romântica de Paris. Outro detalhes é que o local está localizado em uma colina, o que propicia ter uma bela visão da Cidade Luz. Movimentos heterogêneos são o símbolo do lugar que mantém o ar de interior com movimentos artísticos e noturnos.  Por lá, estão unidos o Montmartre da Basília de Sacré-Couer e da Place du Tertre (local muito frequentado por turistas e pintores) com muitos bares, o cabaré Moulin Rouge, os sex shops e as históricas prostitutas de Pigalle. 

&amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;quot;http://turismo.terra.com.br/infograficos/paris-50-dicas/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;quot;http://turismo.terra.com.br/infograficos/paris-50-dicas/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;gt;
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade