publicidade

Delicie-se na Oktoberfest no Brasil e no mundo

A maior festa alemã das Américas, além de ser também a maior do gênero no Brasil
Foto: David Rego Jr. / Divulgação
 

Quem bebe cerveja sabe de seu caráter democrático. Sabe que a cerveja, mais do que o vinho, pode unir gente de diferentes classes e dispensa até muito refinamento na escolha do lugar.

Dentro deste espírito, a Oktoberfest é um dos maiores rituais etílicos a céu aberto desde sua criação, no longínquo ano de 1810. Criada originalmente para celebrar o casamento de um príncipe herdeiro, com o tempo a festa deixou essa pompa toda pro povo mais chegado a vinho e se universalizou.

Hoje, Oktoberfest é sinônimo de laços que unem os povos. Mesmo que os laços estejam meio turvos depois de uns goles a mais. Separe seu remédio preferido para ressaca e confira alguns lugares onde a festa rola forte, tanto no Brasil quanto lá fora.

No Brasil
RS - Santa Cruz do Sul e Igrejinha
A comemoração em Santa Cruz do Sul já mudou de nome algumas vezes (Feicap, Feirasul, Oktoberfeira) e também se modernizou. Este ano, está prevista para acontecer entre os dias 5 e 16 de outubro e a trilha sonora é bem brasuca, com shows de Ivete Sangalo, Restart e Charlie Brown Jr, entre outros. Em Igrejinha, a Oktoberfest atrai menos gentes, mas é mais fiel às tradições. Os destaques da festa são os bailes, jogos germânicos, desfiles, danças folclóricas e a Vila Germânica.

SC - Blumenau, Florianópolis
Justamente considerada a maior festa alemã das Américas, além de ser também a maior do gênero no Brasil e segunda maior no mundo, atrás apenas de sua matriz alemã. Assim sendo, espere um evento lotado (em média, passam por lá 600 mil pessoas), repleto de canto, dança e comidas típicas. E claro, o tradicional e disputado concurso de bebida de chopp em metro.

PR - Marechal Cândido Rondon, Ponta Grossa
Marechal Cândido Rondon dá impressão de ser uma autêntica cidade alemã, graças à arquitetura de seus prédios. Sua festa é típica e com algumas peculiaridades (vide Santa Cruz do Sul, RS), como shows de bandas de heavy metal locais. De modo geral, é uma boa para quem quer ir a uma Oktoberfest mas não se liga tanto em muvuca. Em Ponta Grossa, a prefeitura contabiliza um público maior, cerca de 100 mil pessoas por edição, e até mudou nome e data da festa: Münchenfest, realizada entre novembro e dezembro. Conheça as duas.

SP - Oktoberfest do Club Transatlântico
Para quem vai ao Club Transatlântico, um dos points da comunidade alemã na capital, há cervejas preparadas especificamente para o evento, que não por acaso são as mesmas vendidas na Oktoberfest de Munique. Por essa distinção, a cada ano mais gente comparece à festa. Vá antes que transborde (de gente). Outra boa pedida é a versão da Oktoberfest no bairro do Brooklin, zona sul da capital, que lembra em organização a festa da Achiropita, na região do Bixiga.

Pelo Mundo
Munique
Há 201 anos, uma pequena nação de seis milhões de foliões toma o Parque Theresienwiese para comemorar uma das melhores desculpas para beber em massa. Pros lados da Alemanha, a ida ao festival é uma espécie de rito de passagem que separa meninos de rapazes. Está tudo aqui: as cervejas em edições exclusivas (várias, e cada tenda é de uma cervejaria diferente), as roupas coloridas, as comidas pesadas e a música pop divertida. Há até um parque de diversões com montanha russa para os estômagos mais destemidos. Nós não recomendaríamos enfrentá-la, claro, mas no dia em que bêbado ouvir conselho...

Cincinatti
Todo mês de setembro, a cidade dos EUA praticamente muda de nome para Zinzinatti, um reduto germânico em meio ao império ianque. A causa é boa; as cervejas, mais ainda. Todo ano, pouco mais de 500 mil pessoas deixam os hot-dogs e o blues de lado e passeiam pela área da Fifth Street para ouvir polca, cantar hinos da cultura popular alemã, participar da corrida de salsichas (!) e a de barris e, de modo geral, beliscar alguns dos quase 200 pratos, entre típicos e inventados, nas mais de 30 barraquinhas de rua.

Dublin
Se diz que o único povo que bebe tanto quanto os alemães são os irlandeses. Sorte a deles. A terra dos pubs e da Guinness faz escola também na hora de sediar sua versão da orgia etílica alemã. Isso significa que há doses fartas da cerveja Paulaner, na mesma versão que rola na Oktoberfest de Munique, e comidas típicas da região da Bavária, como sauerkraut, carnes, salsichas e até queijos da montanha.

Ontário e Quebec
Nas cidades gêmeas de Kitchener-Waterloo, em Ontário, a Oktoberfest é chamada de "o maior festival bávaro do Canadá", e é bastante peculiar. Realizada bem no meio do festival do Dia de Ação de Graças, tem um calendário de eventos que abrange shows de rap no Hip-Hoptoberfest, competições de cachorros (Dogtoberfest), uma marcha do orgulho gay (Pridetoberfest), uma corrida de barris (não, eles não chamam isso de Oktonelfest lá)... vale pela curiosidade. Já Quebec é mais normalzinha, com atrações promovidas pelas microcervejarias locais e as atrações de praxe de uma Oktoberfest.

Terra