Vida e Estilo » Turismo » Turismo

 Os 10 monumentos mais estranhos do mundo

Comentários
 

A revista Travel And Leisure divulgou o que seriam os monumentos mais estranhos do mundo. Veja a lista.

» Veja fotos
» Siga o Terra no Twitter
» vc repórter: mande fotos e notícias
» Chat: tecle sobre a notícia

Mannekin Pis - Bruxelas, Bélgica
Fica em Bruxelas, no encontro da Rue de l'Étuve (Stoofstraat, em língua flamenca) e da Rue du Chêne (Eikstraat), perto da Grande Place. Não se sabe ao certo o que significa, mas se trata de uma pequena estátua, de 50 centímetros de altura, representando um menino urinando.

As lendas sobre sua origem são muitas. Uma conta a história de um menino que desapareceu. Alguns dias depois, o pai, rico burguês, o encontrou e, feliz e aliviado, decidiu construir um monumento para celebrar o reencontro. Uma outra diz e um menino que salvou a cidade de ser explodida, urinando na mecha da bomba.

Fonte Calder Mercury - Barcelona, Espanha
Trata-se de uma obra do escultor americano Alexander Calder, um tributo antifascista feito em 1937. A referência se deve ao governo republicano espanhol, que muito cobiçava a região de Almadén, local com uma das maiores minas de mercúrio de todo o mundo.

Na escultura, o mercúrio líquido é venenoso e se derrama através de um monumento feito de calhas de alumínio, salpicados por pedaços de ferro que definem um móvel em movimento. Banhada esta figura, o líquido cai numa piscina mortal, feita de metal e com o formato circular.

Galeria submarina - Granada
Trata-se de uma série de esculturas submersas nas águas rasas na costa de Granada. O incomum é que o conjunto de esculturas só é acessível a mergulhadores (embora também possam ser vistas através do vidro do fundo dos barcos).

O escultor Jason de Caires Taylor criou esta obra que é uma série de figuras humanas em vários grupos e definições. Além de ser o primeiro parque de esculturas marinhas no mundo, é também um recife artificial para promover a conscientização da conservação deste tipo de ambiente.

Estátua do duque de Wellington - Glasgow, Escócia
Arthur Wellesley foi o primeiro duque de Wellington e comandante das forças britânicas que derrotaram Napoleão na batalha de Waterloo. A estátua existe desde 1844 e fica na Queen's Street Glasgow. Até aqui, nada anormal. Mas, durante os últimos 20 anos, ela tem sido um imã para brincalhões que a escalam e a encobrem com cones de trânsito.

Moradores afirmam que os cones já são uma parte integrante da estátua, bem como da identidade da cidade. Alguns afirmam que o fato, que já virou tradição, tem a ver com o espírito irreverente do povo escocês, que se burla assim da autoridade - especialmente se tratando de um militar inglés: muitos escoceses entendem que seu país está ocupado pelos ingleses.

A cidade fantasma de Fengdu - China
É uma cidade-fantasma feita de um complexo de templos budistas e taoístas, e uma espécie de necrópole. Está adornada com estátuas de demônios macabros e desmembramento de seres humanos. Alguns de seus pontos turísticos têm nomes assustadores, como "Torre do último olhar para casa", "Ponte nada a fazer" e "Passagem da tortura de fantasmas".

Ironicamente, a área é agora literalmente uma cidade fantasma, já que a enorme barragem das Três Gargantas foi concluída em 2009, inundando as moradiaz vizinhas. Com este fato, os moradores da região foram obrigados a se deslocarem.

Estátua de Genghis Khan montado num cavalo - Tsonjin Boldog, Mongólia
Genghis Khan (1162-1227), que significa "O Senhor de Toda a Terra", foi um conquistador e imperador mongol. A 40 metros de altura, e com mais de 250 toneladas de aço, esta, que é a maior estátua com a temática equestre, foi inaugurada em 2008 e está localizada a uma hora de carro de Ulan Batar. Os visitantes podem tomar um elevador para o deck panorâmico sobre a cabeça do cavalo e olhar pela vastidão da estepe mongol. A estátua faz parte de um parque temático planejado com unidades nômades e restaurantes que servem carne de cavalo.

Georgia Guidestones - Elberton, Geórgia, EUA
O monumento é um conjunto de instruções para se reconstruir a civilização após o apocalipse. Foi projetado e encomendado por um grupo anônimo. As pedras-guia da Geórgia são compostas por cinco lajes de granito com quase cinco metros de altura, dispostas num formato de estrela. O monumento funciona como bússola, calendário e relógio. Alguns cristãos locais considerem as lajes as criações dos "Dez Mandamentos do Anticristo", dada a sua natureza inquietante. Entre seus admiradores cêlebres conta-se a Yoko Ono.

(Lucena Palace) Saint Wenceslas montado num cavalo morto - Praga, República Tcheca
Saint Wenceslas, ou Saint Wenceslau, é conhecido como o patrono da região da Bohemia, na República Tcheca. A estátua o coloca montado num cavalo morto, de ponta cabeça, amarrado pelos pés. O autor desta escultura, David Cerny (nasceu em 1967), parodiou a estátua original, que fica em frente ao museu Nacional de Praga, esta sim com Saint Wenceslas de fato montado num cavalo.

Por mais de cem anos a estátua original tem sido uma fonte de orgulho nacional para os tchecos, mesmo durante os dias negros do regime comunista. Com esta paródia pendurada no Palácio Lucerna, a figura de Saint Wenceslas adquiriu um sentido de humor irreverente.

Memento Park - Budapeste, Hungria
O monumento é uma celebração do passado comunista na Hungria. Diferente de muitos países do leste europeu, que cerimoniosamente destruiu relíquias da era soviética, a cidade de Budapeste removeu 42 estátuas em locais proeminentes e as transportou para um parque afastado. Lá estão estátuas de Lênin, Marx e Engels. Entre elas uma cópia fiel das botas de Stalin a mais de 8 metros de altura.

Fonte Kindlifresser - Berna, Suíça
Apesar de muitas lendas, não se sabe ao certo os significados desta estátua. Esta fonte data o ano de 1546, e é representada pela figura de um homem vestido com uma roupa vermelha e verde, comendo a cabeça de uma criança; em sua mochila, outros bebês aguardam pelo destino sombrio.

Alguns postulam que a estátua serviu como um alerta à comunidade judaica de Berna, devido ao chapéu, referência aos judeus. Outros dizem que é o titã Cronos da mitologia grega, que comeu os seus filhos para impedi-los de usurpar o trono. O mais provável, porém, é que o chafariz foi criado como uma espécie de "boogieman" para lembrar às crianças da cidade para se comportarem. Em tempo: no nome, Kindlifresser significa "devorador de crianças".

Agência Andrés Bruzzone Comunicação

Especial para Terra