Vida e Estilo » Turismo » Exterior » Exterior

 Península de Valdés: como um Discovery Channel, mas ao vivo

Comentários
 

Um grupo de sete baleias francas nada, com preguiça, a pouco metros do botinho frágil; hábil, o comandante manobra para se aproximar ainda mais de um dos machos que, em volta da fêmea, solta seu jato de água a vapor. Bastaria esticar a mão para tocar esse couro brilhante e escuro. O grupo de turistas fica em silêncio, espantado pelo espetáculo desse animal de 40 toneladas que o observa, com um único olho fora d'água; num movimento elegante, a baleia se submerge, dando tchau com sua cauda.

» Veja fotos
» vc repórter: mande fotos e notícias
» Chat: tecle sobre o assunto

A apenas 1200 quilômetros da capital portenha, no setor nordeste da Patagônia argentina, a Península de Valdés é uma ótima escolha para se ver de perto a vida selvagem de pinguins, elefantes marinhos e baleias. Declarada Patrimônio Natural da Humanidad pela UNESCO em 1999, a Península é uma estrita faixa de terra árida de 35 km de longitude e visual pouco comum: salinas e deserto, íngremes falésias batidas pelo vento e as ondas de um mar azul profundo.

O período de avistagem de baleias vai de maio a outubro; é inverno e é Patagônia, mas o clima é seco e o frio, que pela noite pode atingir os 10 graus negativos, faz-se é tolerável durante o dia. A viagem começa em Puerto Madryn, cidade pujante do litoral patagônico ligada com Buenos Aires por voos diários. Dali, pega-se um ônibus até Puerto Pirâmide a pouco menos de 100 km, no Golfo Nuevo. Do pequeno povoado partem as embarcações autorizadas para acompanhar a evolução do mamíferos marinhos no seu jogo de acasalamento - a navegação é proibida pelas autoridades argentinas, para evitar perturbar os animais.

E não somente a baleia franca há na península a baleia franca. As maras (ou lebres patagônicas), guanacos, zorros, e choiques ou avestruzes patagônicas são facilmente visíveis atravessando-se a estrada. Nas costas, divisam-se pinguins, focas, lobos marinhos e orcas. Na Isla de los Pájaros, no Golfo de San José, é possível se ver uma das maiores colônias de aves marinhas do Continente.

Agência Andrés Bruzzone Comunicação

Especial para Terra
 
 
 
Últimas »