Atenas lança campanha para recuperar turismo perdido com a crise

24 abr 2013
14h13

Os hoteleiros atenienses e as companhias de cruzeiros esperam mudar a imagem pouco atrativa de Atenas após dois anos de distúrbios e greves quase diárias com ofertas que combinam as atrações culturais da capital com a beleza natural das ilhas do golfo Sarónico e das praias de Ática.

"Nosso objetivo é mudar radicalmente a imagem de Atenas, que se deteriorou nos últimos três anos devido à publicidade negativa", destacou hoje em entrevista coletiva o presidente da Associação de Hoteleiros de Ática e do golfo Sarônico, Aléxandros Vasilikós.

Uma opinião compartilhada pelo presidente da Associação Helénica de Propietários de Embarcações de Cruzeiro, Andonis Steliatos.

"Em todos os países democráticos há manifestações e inclusive enfrentamentos com a polícia. Mas só os da Grécia permaneceram na capa dos jornais internacionais durante semanas, e isso é injusto", destacou Steliatos.

O presidente dos hoteleiros reconheceu que o setor também foi negligente nos últimos anos em relação à promoção de Atenas como destino turístico.

"Nos últimos anos achamos que o glamour dos Jogos Olímpicos de Atenas de 2004 seria suficiente para fazer de Atenas um destino turístico atrativo", reconheceu.

Apesar de que a região de Atenas tem 661 hotéis, dezenas de sítios arqueológicos importantes, museus, dezenas de quilômetros de praias e mais de 100 ilhas e ilhotas de uma beleza excepcional, as chegadas de turistas nos últimos anos estão em queda livre.

"Nada menos que 60% dos visitantes de Atenas ignora que a meia hora do centro da cidade há praias bonitas, e 65% deles ignoram a existência no golfo Sarónico, a uma ou duas horas de itinerário com o navio, de tantas ilhas", admitiu Vasilikós.

Nos três anos da crise, pelo menos 40 empresas hoteleiras quebraram. Enquanto isso, os preços dos hotéis atenienses caíram 45% em média.

"Os hotéis da região de Ática foram todos renovados por causa dos Jogos Olímpicos de 2004. Assim Atenas dispõe do parque hoteleiro em melhor estado da Europa", sustentou Vasilikós.

O presidente da Associação de Empresários de Embarcações de Cruzeiro, com 3.800 filiados e com uma frota de 4.500 navios de cruzeiro, 3.500 deles com sede em Ática, ressaltou a necessidade de combinar a visita dos turistas a Atenas com excursões diárias às ilhas próximas.

Os hoteleiros atenienses tentam além disso convencer ao governo de estender os horários de abertura dos museus, um tema que até há um ano era tabu para o Executivo grego.

Também tentam incorporar em sua campanha de promoção a multidão de eventos culturais na região de Ática, precisamente no verão.

"É muito complicado, mas já há progressos", destacou Vasilikós. "Aproveitaremos este ano o festival de jazz de Atenas (fim de maio - inícios de junho) para organizar pequenos eventos com grupos de jazz nos hotéis. E nos dias seguintes tentaremos levar essas mesmas atrações aos hotéis das ilhas do golfo Sarónico", precisou o presidente da Associação dos Hoteleiros.

Neste ano a Grécia espera mais de 17 milhões de chegadas de turistas.

"Tudo indica uma melhora para os próximos três meses, e isto nos faz ser otimistas", acrescentou Vasilikós.

EFE   
publicidade