publicidade
15 de maio de 2012 • 11h19

Saiba o que acontece com o corpo quando se está amando

Com os hormônios em ação, a pessoa apaixonada ri mais do que outras que não se encontram nesse estado. Os culpados são a cortisona e a adrenalina. O fênomemo bioquímico também provoca alterações no sistema nervoso. Dependendo do grau de excitação provocado pelo flerte, os sinais podem ser menos ou mais evidentes
Foto: Shutterstock
 

Cortisona e adrenalina. Esses são alguns dos responsáveis pelo riso fácil e o rubor na face dos apaixonados. Apesar da falta de romantismo na explicação, o corpo humano reage de forma diferente quando está enamorado por alguém e a culpa não é do cupido.



Trata-se de um fenômeno bioquímico que também provoca alterações no sistema nervoso e pode vir acompanhado de outras reações como pupilas dilatadas, respiração mais rápida e profunda. Sendo que todas essas transformações podem ser interpretadas pelo objeto de desejo como excitação e interesse.



O sinais costumam ser sutis, mas podem causar certo desconforto em pessoas tímidas, por exemplo. "Eles sentem tanto medo de deixar transparecer seus sentimentos, por isso costumam ficar mais sem graça e perdem a espontaneidade", revela Léa Michaan, mestre em psicologia clínica e psicanalista.



Dependendo do grau de excitação provocado pelo flerte, os sinais podem ser menos ou mais evidentes. Contudo, apesar do medo consciente de se sentir vulnerável, Renato Sabbatini, biomédico neurocientista do comportamento e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas (Unicamp), revela que essas reações são potencializadas pelas mulheres.



"A maquiagem feminina é um exagero que procura imitar o rosto da mulher excitada, com os lábios com mais sangue, maçãs do rosto coradas, olhos mais notáveis. No passado usava-se o extrato de beladona - que em italiano significa bela mulher -, que tornava os olhos das mulheres dilatados e mais bonitos". Segundo o neurocientista, os homens realmente se sentem atraídos por mulheres que apresentam essas características.



Atente-se para os sinais

Além das evidências fisiológicas, o ser humano demonstra seu interesse e se promove para o seu alvo romântico por meio de gestos ou reações que, isolados, poderiam passar despercebidos, como mexer nos cabelos, apresentar mãos geladas ou colocar as mãos na cintura.



De acordo com Léa Michaan, mexer nos cabelos é uma característica tipicamente feminina. "Elas fazem isso para certificarem-se de que estão bem ou para, inconscientemente, ajeitarem a moldura do rosto". Já os homens arrumam o cabelo e a roupa.



Além de valorizar as madeixas, as mulheres passam a se preocupar ainda mais com a aparência. Por isso, pensam em cada detalhe do figurino, como brincos e pulseiras, por exemplo. Isto tudo, de acordo com a especialista, são maneiras inconscientes de manter-se sempre em ordem para seu objeto de desejo.



As mãos geladas denotam nervosismo e forte interesse. As mãos na cintura, por sua vez, pode esconder uma atitude bem mais agressiva. "Quando a mulher ou o homem apoia as mãos na cintura e aponta os cotovelos para os lados é sinal de que quer ficar a sós com você. Fazendo isso, cria uma barreira para evitar que outras pessoas se aproximem, pois não quer que ninguém interfira", explica a mestre em psicologia clínica e psicanalista.



Mas as alterações bioquímicas e a mudança de comportamento não duram para sempre e, mais uma vez, os culpados são os hormônios. Sabbatini explica que as reações - e consequentemente as paixões - têm data para começar e terminar. "Primeiro, eles só aparecem depois que os hormônios sexuais estão bem estáveis, a partir dos 14 a 15 anos, um pouco mais cedo em mulheres do que em homens. E depois vão caindo com a queda hormonal na menopausa e andropausa."



Agência Hélice