Esotérico

publicidade
07 de setembro de 2010 • 11h36

A Independência do Brasil decretada por uma mulher

Leopoldina Beatriz de Habsburgo
Foto: Reprodução
 

No dia 7 de setembro é comemorado o dia da Independência do Brasil, porém, poucos sabem que este fato teve a mãozinha de uma mulher: Leopoldina Beatriz de Habsburgo, a primeira imperatriz do Brasil que viveu menos de trinta anos e nove deles em nosso país.

» Siga Vida e Estilo no Twitter
» vc repórter: mande fotos
e notícias

» Chat: tecle sobre o assunto

D. Pedro fez o ato da proclamação da Independência; contudo, não podemos excluir o direito de D. Leopoldina receber o mérito de elaborar junto à Bonifácio as manobras políticas necessárias para a libertação do nosso país, quando assumiu o comando da regência interina do Brasil no dia 13 de agosto de 1822; no dia 2 de setembro decretou a libertação do país cinco dias antes da sua proclamação.

Só nos foi possível tomar conhecimento dessa história em 1960, quando um leiloeiro de Munique, na Alemanha, anunciou a venda de oito mil cartas de Maria Luísa, irmã de D. Leopoldina (duzentas e quarenta cartas da nossa Imperatriz). Desta forma, conhecemos com mais intimidade a arquiduquesa Leopoldina que falava onze idiomas, dentre eles, o esloveno, croata, tcheco, alemão, húngaro, turco, boêmio, espanhol, italiano, português e o latim. Além disso, era conhecedora da arte heráldica e determinou que as cores do Brasil depois da independência, fossem o verde-amarelo. Sempre atuante, também ajudou a redigir os textos para D. Pedro, sendo possível neles verificar sua inicial, abaixo da assinatura do Imperador.

Se perguntarmos a qualquer brasileiro o nome de uma mulher que tenha se destacado ao lado de D. Pedro I, certamente obteremos a resposta: "Marquesa de Santos" que entrou para a história como sinônimo de suas proezas amorosas. Porém, diante deste romance, o índice de rejeição da população tomou proporções desmedidas contra o Imperador, já que D. Leopoldina era muito querida pelos súditos, pois havia conquistado a solidariedade das camadas populares. Temendo manifestações mais radicais do povo contra ele, Pedro ordenou que a Imperatriz permanecesse em cárcere privado. Ela adoeceu em decorrência de um ponta-pé desferido em seu ventre por D. Pedro, morrendo aos 29 anos.

Creio que o resgate histórico é fundamental para que o mundo moderno caminhe para a verdadeira igualdade de gênero; relembrar este fato é prestar a devida homenagem à Leopoldina, que foi exemplo de perseverança, coragem, amor e devoção ao Brasil.

Especial para Terra