publicidade
12 de novembro de 2012 • 14h46 • atualizado às 16h18

Tamanho do pênis importa para as mulheres, diz pesquisa

Mulheres responderam à estudo que tamanho do pênis importa na hora do orgasmo vaginal
Foto: Getty Images
 

Uma nova pesquisa publicada no Journal of Sexual Medicine mostra que, ao contrário do que diz o ditado popular, o tamanho do pênis importa, sim, quando se trata de agradar uma mulher na cama. Mas, segundo o jornal inglês Daily Mail, a boa notícia é que esta nova descoberta se aplica apenas para algumas mulheres e para tipos específicos de orgasmos.

 

Laptop e refrigerante interferem na fertilidade? Saiba mais sobre a saúde dos homens
Etiqueta na cama: esclareça 35 dúvidas do que pode ou não pode entre 4 paredes
 
De acordo com o estudo, as mulheres que frequentemente têm orgasmos vaginais são mais propensas do que outras a chegarem ao clímax quando o pênis do homem é maior. Stuart Brody, psicólogo da Universidade do Oeste da Escócia, responsável pela pesquisa, perguntou a 323 voluntárias sobre suas vidas sexuais nos últimos meses. Entre as questões, estava qual a importância do contato pênis-vagina e também sobre outros atos sexuais, como o quanto o tamanho do pênis influencia a capacidade de atingir o orgasmo.

Os pesquisadores definiram uma “média” do tamanho do pênis de cerca de 14,9cm e, tendo este número como base, perguntaram se as mulheres tinham mais orgasmos quando estimuladas por pênis que estavam acima ou abaixo da média. Defendendo a hipótese de que tamanho importa, a equipe de pesquisadores contabilizou que a maior parte das mulheres que disseram ter orgasmos vaginais, afirmou que quanto maior o pênis, melhor. “Em parte, isto pode indicar que um pênis maior tem mais habilidade para estimular toda a extensão da vagina e o colo do útero”, afirmou Brody.

O psicólogo falou ainda que as características sociais também influenciam. “A ansiedade masculina sobre o tamanho do pênis pode não se refletir em toda a sociedade, e pode também ser uma cultura de estereótipos dos homens, no entanto, para algumas mulheres, tamanho realmente importa. Esta ansiedade pode ser comparada a quando os homens chegam na puberdade e são julgados também pela inteligência, personalidade, senso de humor, status social, peso, altura, corpo atlético, entre outras qualidades que são específicas de cada cultura”, completou Brody.

Esta pesquisa é publicada exatamente oito meses depois que o mesmo jornal falou sobre um estudo polêmico, no qual evidências sugeriam que os orgasmos vaginal e clitoriano são, de fato, fenômenos totalmente separados e que ativam diferentes áreas do cérebro.

Uma séries de artigos mostrou que, ao contrário da crença popular – e muitos resultados científicos também –, há mais do que uma maneira de satisfazer uma mulher na cama e que o clitóris não é a única chave par atingir este objetivo. Entre outras descobertas, estava a de que as mulheres podem, além de atingir o orgasmo pela estimulação vaginal ou clitoriana, chegar ao clímax também pela atenção em zonas erógenas. Outro ponto observado deu conta de que a habilidade de se chegar ao orgasmo durante a estimulação vaginal pode ser ligada tanto à saúde mental quanto física e, inclusive, as mulheres mais saudáveis estão mais propensas a ter orgasmos sem a estimulação do clitóris.

Ainda segundo o jornal Daily Mail, o ginecologista francês Odile Buisson argumentou contra a pesquisa e disse que o entendimento clássico de orgasmo feminino  está ligado à estimulação do clitóris. Ele informou que a parede da vagina está muito próxima e ligada com a parte interna do clitóris e que, portanto, seria impossível ter um orgasmo vaginal sem também estimular o clitóris. Ele concluiu afirmando que, na verdade, o orgasmo vaginal seria apenas outro nome para o orgasmo clitoriano.

O Journal of Sexual Medicine publicou ainda que as mulheres com saúde física e mental fracas têm menos chances de terem um orgasmo vaginal e que aquelas que conseguem ter um apresentam taxas de saúde do coração mais altas do que as que não vivenciaram a experiência.  Outro resultado apontou que aquelas que, necessariamente não precisam da estimulação do clitóris, são menos propensas a usar mecanismos psicológicos de enfrentamento.

Sendo assim, com tantas ligações psicológicas entre os tipos de orgasmos, Stuart Brody, disse ser uma “negligência” o conselho de que é sempre necessário ativar o clitóris. Emmanuele Janini, professor de endocrinologia da Universidade de Aquila, na Itália, disse que as mulheres só ganham com as descobertas, mas devem continuar alertas. “A mulher deve entender quem ela é, como é seu corpo, o que ela gosta, mas que não deve ter o sexo como uma corrida, um jogo. Devem entender que olhar o ponto G e os tipos de orgasmo como dever, é a melhor maneira de perder a felicidade no sexo”, comentou.

Terra