publicidade

Caso Netinho: conheça os perigos do uso de anabolizantes

Uso indiscriminado de esteroides gera sérios efeitos colaterais

Quadro do cantor está ligado ao uso de anabolizantes, segundo médico
Foto: Instagram / Reprodução
  • Roberta Figueira
 

Na última sexta-feira (10) o cantor baiano Netinho foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Segundo relato do cirurgião Jorge Bastos, do Hospital Aliança, em Salvador, onde Netinho foi internado incialmente, ao jornal Bom Dia Brasil, da TV Globo, o cantor teve um sangramento no fígado causado pelo uso excessivo de anabolizantes. Netinho teria usado um coquetel de substâncias com hormônios para enrijecer a musculatura e retardar o envelhecimento. O grave quadro do cantor gerou discussões sobre os riscos do uso de anabolizantes.

“Outras celebridades já declaram que usam o hormônio de crescimento GH como tratamento anti-idade. Porém, a eficiência disso não é comprovada”, explicou a médica do esporte, Silvana Vertematti. Os esteroides anabólicos ou anabolizantes são hormônios que aceleram processos metabólicos. “Eles são muitas vezes um suplemento para hormônios que já produzimos. No uso terapêutico, o anabolizante ajuda a corrigir alguma deficiência, porém infelizmente o mais comum é ser aplicado por motivos estéticos para ganho de massa muscular, principalmente”, afirmou.

O uso indiscriminado desse tipo de substância gera sérios efeitos colaterais. “Isso aumenta o risco de tumores hepáticos, elevação de colesterol, aumento da pressão arterial, problemas cardiovasculares, perda óssea e impotência. Além disso, também há efeitos psiquiátricos como depressão e aumento de agressividade”, disse Silvana. Tomar anabolizantes na dose, forma e idade errada é muito perigoso para a saúde. “Geralmente os principais problemas estão relacionados a sobrecarga em rins e fígado, que sofrem demais para processar tantas substâncias não naturais e que podem levar a alguns tipos de câncer”, completa Diego Leite de Barros, do HCor.

Segundo Carlos Alberto Anaruma, especialista em morfologia com ênfase em anatomia da Universidade Paulista, o problema está mesmo no excesso, que produz substâncias indesejadas no corpo, gerando efeitos colaterais. “Além do tumor no fígado, há outra doença hepática comum nesses casos, que gera bolhas de sangue no fígado. Provavelmente foi isso que aconteceu com o Netinho”, afirma ele.

Os tendões também costumam gerar problemas, já que muitas vezes não conseguem suportar o aumento da musculatura. “Uma alimentação saudável e balanceada e a prática de exercícios acompanhados por um educador físico já são suficientes para um ótimo resultado estético. O problema é que fazendo tudo certo demora cerca de um ou dois anos para se atingir o objetivo, com anabolizantes em três meses a pessoa já vê diferença. Por isso, muita gente acaba optando por esse atalho perigoso”, defendeu Carlos Alberto.

Em alguns casos, a substância pode ser receitada pelo médico para auxiliar no equilíbrio hormonal após alguns tratamentos ou em situações específicas, como baixo desenvolvimento maturacional ou situações de incapacidade física. “O profissional deve levar em consideração características físicas, fisiológicas e psicológicas do paciente”, defende Silvana. Essas substâncias normalmente já são produzidas pelo organismo, por isso, segundo Diego, não há uma dose saudável com exceção desses casos de indicação médica e com acompanhamento de um especialista.

Dependência e combinações
Apesar de não viciar, os anabolizantes causam certa dependência emocional. Muitos jovens passam a usar esse tipo de substância cedo e se apegam aos seus efeitos estéticos rápidos. “Não acredite em milagres. Se você se encanta com os efeitos visíveis no corpo, saiba que os invisíveis são muito sérios. Essas substâncias têm grandes implicações clínicas”, defende a médica.

O uso de anabolizantes combinado com a pílula anticoncepcional potencializa ainda mais os problemas. Segundo Silvana, essa mistura aumenta ainda mais o risco de trombose, AVC, infarto, colesterol e alterações hepáticas.

A interrupção do uso de anabolizantes também é outro momento perigoso. “Quando a pessoa para de usar essas substâncias, desregula seu eixo hormonal, podendo sofrer ganho de peso e desenvolver problemas como hipotireoidismo”, afirmou a médica. Segundo Diego, isso acontece pois o corpo passa a não sintetizar a proteína de forma tão acelerada e o aumento de massa muscular e manutenção fica mais difícil, podendo gerar flacidez. “Não existe um prazo definido para que o corpo fique ‘limpo’, já que os efeitos adversos podem ser levados para o resto da vida”, explica o fisiologista.

Por isso, é preciso pensar duas vezes antes de tomar qualquer substância. “Nunca use nada injetável sem recomendação médica. Não aceite recomendações de instrutores de academia e amigos. Apenas um médico pode indicar hormônios, pois os riscos são grandes”, ressaltou Silvana. 

Terra