Sorry, your browser does not handle frames!<a href="https://www.terra.com.br/"> terra </a>
› Vida e Estilo › Esotérico › Colunistas › Monica Buonfiglio

Monica Buonfiglio

Francisco Cândido Xavier

Monica Buonfiglio

Francisco de Paula Cândido ou, como ficou mais conhecido, Chico Xavier, nasceu em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, em 2 de abril de 1910 e desencarnou (faleceu) em 30 de junho de 2002. Suas visões começaram a surgir quando estava com quatro anos de idade, mas ninguém deu muita importância para isso. Aos 13 anos, quando sua irmã adoeceu, participou de uma sessão espírita e, a partir daí, começou a estudar os livros de Allan Kardec e seguir a doutrina espírita.

» Conheça Chico Xavier e a mediunidade em série especial
» O que acontece em uma manifestação mediúnica?
» O que é mediunidade?
» Quais os sinais para identificar um médium?

Depois de quatro anos de estudo, Chico psicografou seu primeiro livro, Parnaso de Além Túmulo (1932), no qual transcreveu poemas de Augusto dos Anjos, Antero do Quental, Olavo Bilac e outros poetas então já falecidos. Foi a partir de então que Emmanuel, seu mentor, passou a ditar seus livros.

Dentre seus 450 livros psicografados*, dos quais nunca se intitulou autor, pois apenas reproduzia o que os espíritos ditavam, o que Chico mais gostou foi Paulo e Estevão, pois contém informações detalhadas sobre o apóstolo Paulo. O livro escrito pelo espírito Humberto de Campos, que relata sobre a vida de Jesus, também o sensibilizou muito. Devemos lembrar, aqui, que o médium tinha apenas o curso primário.

Iniciou seu trabalho mediúnico em 1927 e atuou nas obras caritativas por toda sua vida. Sua tarefa de ajudar as pessoas nunca foi fácil. Chico faz caridade aos necessitados através de doações de roupas, alimentos, brinquedos e de sua verdadeira vocação espiritual. Ele possuía o dom da palavra e sabia expressar os ensinamentos sobre o espiritismo de forma clara e perfeita. Muitos acreditam que Chico Xavier é a reencarnação de Allan Kardec, o codificador do espiritismo.

Chico morou grande parte da sua vida em Uberaba, Minas Gerais. Esta casa é, atualmente, um museu junto à Fundação Chico Xavier. O eterno, o humilde, o discernimento em pessoa se autodefine: "sei o que devo ser e ainda não sou, mas rendo graças a Deus por estar trabalhando, embora lentamente, por dentro de mim mesmo, para chegar, um dia, a ser o que devo ser".

Com 50 milhões de livros vendidos em vários países, traduzido para mais de dez idiomas, milhares de psicografias e com todos os direitos doados, Chico escreveu incansavelmente dos anos 30 aos anos 90, contribuindo para a popularização do espiritismo codificado por Allan Kardec.

Não faltam homenagens no centenário do maior médium do mundo: um filme baseado em sua biografia, livros, selo comemorativo e festas em todo o País. Em um site internacional, Chico destaca-se como o homem mais popular e querido do Brasil.

* Entre suas obras as mais conhecidas estão: Há Dois Mil Anos (1939), O Consolador (1941), Nosso Lar (1944), Ação e Reação (1957), Evolução em Dois Mundos (1959), Mecanismos da Mediunidade (1960), Mediunidade e sintonia (1986), Queda e Ascensão da Casa dos Benefícios (1991) e Escada de Luz (1999).

Quer saber mais sobre o trabalho de Monica Buonfiglio, ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Especial para Terra

Ique Esteves/Divulgação
Chico escreveu incansavelmente dos anos 30 aos anos 90, contribuindo para a popularização do espiritismo
Chico escreveu incansavelmente dos anos 30 aos anos 90, contribuindo para a popularização do espiritismo

Busque outras notícias no Terra