Casa e Decoração

publicidade

Piscinas diferentes demandam instalações de vários tipos

As piscinas podem ser de concreto armado, de vinil ou de fibra
Foto: Shutterstock / Divulgação
 

Fazer uma piscina não é apenas abrir um buraco, impermeabilizar, encher de água e sair nadando. Na verdade, existem vários modelos, que determinarão diferenças importantes na instalação, ainda que alguns passos permaneçam os mesmos.



Quanto ao local, ele pode ser o de preferência da pessoa, mas o ideal é colocar o tanque na parte norte do terreno. Bruno Zanetti, da iGUi Piscinas, explica que é "nessa região que o sol bate mais, principalmente durante o inverno". Os tamanhos e formatos, por sua vez, variam. As de concreto armado e de vinil não têm restrições. Já as de fibra têm dimensões pré-determinadas e, segundo ele, não há como pedir modelos especiais.



Escolhido onde será colocada, escava-se o buraco, o que pode ser feito com tratores ou manualmente, se não for possível a passagem das máquinas. Se, no primeiro caso, o serviço pode ser feito em meio dia, no segundo, pode levar de uma semana a quinze dias, dependendo do tamanho.



O tipo de piscina define o próximo passo. Segundo Zanetti, a de fibra é colocada em cima de um revestimento de concreto e areia ou só desse último material, dependendo do tipo de solo. Já nas de vinil, constrói-se uma estrutura de alvenaria, que deve ser totalmente alisada, no chão e nas paredes, e sobre a qual será instalada a capa de revestimento. As de concreto armado, por sua vez, são mais complicadas de fazer, pois, como explica Ronaldo Moreira, da Campestre Piscinas, a piscina se torna uma peça única e sólida, que ainda tem que passar por impermeabilização e é revestida com azulejos, pastilhas de cerâmica ou outros materiais.



Esse último tipo, em compensação, pode ser instalado em terrenos menos firmes e até em estruturas elevadas, como no caso de ribanceiras, pois o tanque de concreto armado é autoportante, ou seja, aguenta o volume de água por si, sem necessidade de escora. As piscinas de fibra e de vinil, por outro lado, dependem da resistência do terreno para se manterem, pois, segundo Moreira, a utilização de concreto armado no buraco as tornaria muito caras.



A parte hidráulica é semelhante para todos os tipos. A casa de máquinas, que filtrará a água, é colocada em um buraco perto do tanque. Joaquim Ribeiro, da Piscinas Planalto, diz que "o maquinário não necessariamente precisa ficar logo ao lado, mas a distância leva a perdas na vazão da água, aumentando o tempo necessário para filtrar todo o líquido e prejudicando a limpeza". Também são abertos espaços na estrutura da piscina para os tubos da instalação hidráulica e colocação de iluminação. Ribeiro afirma que as de led são as mais usadas, pois custam pouco e têm diversas cores.



Por fim, é feito o acabamento no entorno da piscina. Nesses casos, podem-se usar granito, mármore, madeira ou grama, de acordo com o gosto da pessoa. Depois, basta dar um mergulho.



PrimaPagina,
Especial para o Terra
Terra Terra