Piscinas diferentes demandam instalações de vários tipos

  • separator
  •  
  • comentários

Fazer uma piscina não é apenas abrir um buraco, impermeabilizar, encher de água e sair nadando. Na verdade, existem vários modelos, que determinarão diferenças importantes na instalação, ainda que alguns passos permaneçam os mesmos.

As piscinas podem ser de concreto armado, de vinil ou de fibra
As piscinas podem ser de concreto armado, de vinil ou de fibra
Foto: Shutterstock / Divulgação



Quanto ao local, ele pode ser o de preferência da pessoa, mas o ideal é colocar o tanque na parte norte do terreno. Bruno Zanetti, da iGUi Piscinas, explica que é "nessa região que o sol bate mais, principalmente durante o inverno". Os tamanhos e formatos, por sua vez, variam. As de concreto armado e de vinil não têm restrições. Já as de fibra têm dimensões pré-determinadas e, segundo ele, não há como pedir modelos especiais.

Escolhido onde será colocada, escava-se o buraco, o que pode ser feito com tratores ou manualmente, se não for possível a passagem das máquinas. Se, no primeiro caso, o serviço pode ser feito em meio dia, no segundo, pode levar de uma semana a quinze dias, dependendo do tamanho.

O tipo de piscina define o próximo passo. Segundo Zanetti, a de fibra é colocada em cima de um revestimento de concreto e areia ou só desse último material, dependendo do tipo de solo. Já nas de vinil, constrói-se uma estrutura de alvenaria, que deve ser totalmente alisada, no chão e nas paredes, e sobre a qual será instalada a capa de revestimento. As de concreto armado, por sua vez, são mais complicadas de fazer, pois, como explica Ronaldo Moreira, da Campestre Piscinas, a piscina se torna uma peça única e sólida, que ainda tem que passar por impermeabilização e é revestida com azulejos, pastilhas de cerâmica ou outros materiais.

Esse último tipo, em compensação, pode ser instalado em terrenos menos firmes e até em estruturas elevadas, como no caso de ribanceiras, pois o tanque de concreto armado é autoportante, ou seja, aguenta o volume de água por si, sem necessidade de escora. As piscinas de fibra e de vinil, por outro lado, dependem da resistência do terreno para se manterem, pois, segundo Moreira, a utilização de concreto armado no buraco as tornaria muito caras.

A parte hidráulica é semelhante para todos os tipos. A casa de máquinas, que filtrará a água, é colocada em um buraco perto do tanque. Joaquim Ribeiro, da Piscinas Planalto, diz que "o maquinário não necessariamente precisa ficar logo ao lado, mas a distância leva a perdas na vazão da água, aumentando o tempo necessário para filtrar todo o líquido e prejudicando a limpeza". Também são abertos espaços na estrutura da piscina para os tubos da instalação hidráulica e colocação de iluminação. Ribeiro afirma que as de led são as mais usadas, pois custam pouco e têm diversas cores.

Por fim, é feito o acabamento no entorno da piscina. Nesses casos, podem-se usar granito, mármore, madeira ou grama, de acordo com o gosto da pessoa. Depois, basta dar um mergulho.

PrimaPagina,
Especial para o Terra














Terra

compartilhe

publicidade
publicidade