Casa e Decoração

publicidade

Incremente a decoração com paredes texturizadas

A parede texturizada imita pastilhas de madeira e combina com o material do piso e dos móveis
Foto: Maurício Nóbrega
 

Nada de paredes brancas e sem graça. Para dar charme ao ambiente vale destacá-las usando a texturização. A técnica faz com que seja possível sentir a estampa ou apenas vê-las – como as que imitam pedra. Esses modelos enganam o olhar, copiando o desenho que o cliente desejar. No entanto, no toque são tão regulares quanto uma parede lisa. Há no mercado produtos que já vêm prontos para aplicar, como se fossem uma tinta. Eles dão aspecto de mármore, jeans e couro, por exemplo. Mas preste a atenção após a compra. O trabalho tem de ser feito por um profissional, não dá para adotar o esquema “faça você mesmo”.
 
Além das texturas prontas, dá para usar massa corrida e diferentes ferramentas como espátulas, esponjas e até vassouras. Tudo depende da cara que o proprietário quer dar ao ambiente. “A textura traz profundidade à pintura. Podemos fazer de diversas maneiras, em forma de leque ou grafiado, que são movimentos verticais. Às vezes a gente idealiza o desenho com o cliente e mostra para o aplicador para que ele faça igual. Às vezes, fazemos um teste na parede mesmo”, conta a arquiteta Lica Cukier.

Na hora de pensar na textura, o morador leva em conta o contexto do cômodo. “Não tem regra, depende do sofá, do mobiliário e se o cômodo é arrojado ou conservador”, explica a arquiteta Ana Lúcia Siciliano. Se ele já tem muitos quadros, tapetes e móveis estampados, vale investir em uma parede de textura mais marcante e com cor forte ou em uma mais suave espalhada por todas as paredes de cor neutra, como o branco. Texturas mais lúdicas como bolinhas são apropriadas para quartos de crianças. “Se a textura for muito trabalhada, fica melhor em áreas externas ou em uma parede de um ambiente grande”, afirma a arquiteta Andrea Chicharo.

O recurso pode ser usado tanto nas áreas internas quanto nas externas. No exterior da casa, a textura pode ser mais marcante. “Nesse caso, serve para esconder imperfeições como manchas e rachaduras”, resume Lica.

Se o quarto ou apartamento for pequeno, o ideal é eleger algumas paredes. Pode ser a da televisão ou a da cabeceira da cama. A arquiteta Paula Ferraz dá a receita: é possível usar a técnica como substituta de um painel em imóveis menores. “Nada de texturas muito rugosas ou cores fortes em quartos pequenos, elas ‘fecham’ o ambiente, dando a sensação de que são ainda menores.”

Terra Terra