publicidade

Confira projetos de quartos de menino em 29 imagens

O arquiteto Gerson Dutra de Sá foi o responsável pelo projeto desta suíte de menino, exposta na Casa Cor 2012. Informações: (11) 5044-2830 Foto: Divulgação: Gerson Dutra de Sá Arquitetura e Interiores
O arquiteto Gerson Dutra de Sá foi o responsável pelo projeto desta suíte de menino, exposta na Casa Cor 2012. Informações: (11) 5044-2830
Foto: x
 

Planejar um quarto de menino pode parecer mais difícil do que o de uma menina. Isso porque os garotos podem ter mais restrições quanto ao uso de cores e acessórios.

Segundo o arquiteto Gerson Dutra de Sá, de São Paulo, o segredo é ouvir o que a criança tem a dizer. “Eu priorizo a idade e tento entender as atividades desse menino. Por exemplo, fiz um quarto para um pré-adolescente agora, que gosta de azul e ama dinossauros. Tem que ver para que esse jovem vai usar o espaço. Se recebe amigos, coloca uma bicama.” O arquiteto fez uma área com pufes para o menino jogar videogame e incluiu um painel de LED para que o garoto não tenha que dormir no breu absoluto. “O importante é que ele se sinta bem naquele lugar”, afirma Gerson.

A arquiteta Rosana Rocha, do escritório Rocha Andrade Arquitetura e Design, de São Paulo, gosta de conversar também com os pais. “A gente avalia o que a criança precisa, armário, mesa para estudar... Vê se ela tem algum hobby, como futebol. Para um garoto que gostava do esporte fizemos um teto em forma de campo, pintado de verde e com as linhas do gramado. Eles adoram quando o quarto é personalizado”, afirma a arquiteta.

Rosana chama a atenção para a tendência de os garotos ficarem mais exigentes ao longo dos anos. Para agradar sempre, ou pelo maior tempo possível, a dica é investir em um mobiliário neutro. “Procuro não exagerar muito no tema. Não uso o tema em todo lugar como na cama, no criado mudo e nas paredes. Uso nos detalhes, como almofada, teto ou painel. Se um menino gosta muito de tênis e tem muitas raquetes e bolinhas, a gente faz um móvel para elas ficarem expostas”, explica.

Gerson Sá, por sua vez, acredita no uso inteligente da cor. “Evito paredes multicoloridas. Gosto de usar amarelo, azul e laranja. Cada cor exerce uma função psicológica na pessoa. O azul traz equilíbrio, o laranja estimula a inteligência. Se a cor te desagrada você não se sente bem no ambiente. Um projeto é sentimento”, afirma Gerson.

Para o arquiteto, o quarto de uma criança ou adolescente vai além de um ambiente para dormir, é parte do mundo e da personalidade dele. “Você tem que entendê-lo para fazer um ambiente integrado a ele. Descobrir o time para o qual ele torce, por exemplo. É mais que um quarto para dormir ou uma brinquedoteca. O quarto é o universo dele, é onde ele vai descobrir o mundo com os amigos.”

PrimaPagina Terra